sábado, 22 de julho de 2017

Globo inverte novelas na fila das 21 horas


A TV Globo decidiu promover uma mudança na ordem de exibição de suas próximas novelas das 21 horas.

O quadro a seguir é oficial: atualmente no ar, temos “A Força do Querer”, novela de Glória Perez, com direção artística de Rogério Gomes, o Papinha. Na sequência, “O Outro Lado do Paraíso”, de Carrasco.

O mesmo diretor e equipe de "A Força do Querer" estavam previstos para a produção de Aguinaldo Silva, “O Sétimo Guardião”, programada para estrear em maio de 2018.

Para isso, os trabalhos teriam que começar nos próximos meses, e, portanto, a equipe praticamente emendaria duas novelas. Para dar férias aos profissionais, a emissora decidiu antecipar a trama de João Emanuel Carneiro, que será dirigida por Dennis Carvalho.

Assim, depois de “A Força do Querer”, estreia “O Outro Lado do Paraíso”. E em seguida, a história de João Emanuel Carneiro, e, somente após, a trama de Aguinaldo Silva.

Em nenhum momento, a Globo colocou como motivo para essa mudança a polêmica de direitos autorais que envolveu recentemente esta nova novela do Aguinaldo e participantes do curso Master Class, comandado por ele. Alunos do curso de roteiristas estariam insatisfeitos com o contrato de cessão de direitos e ameaçavam levar o caso para a Justiça. O autor, porém, se encarregou de solicitar a todos os participantes a cessão de direitos, mas a emissora, pelo menos até agora, nunca afirmou ter recebido esses documentos.

De qualquer forma, oficialmente, a troca vai acontecer para dar o devido tempo de descanso para a equipe de Rogério Gomes. A coluna não conseguiu falar com Aguinaldo, porque ele se encontra em Portugal e só deve voltar ao Brasil no dia 25.

É provável que boa parte do elenco de "O Sétimo Guardião", agora, seja colocada à disposição da novela de Carneiro - ele passa a ter prioridade. No caso, nomes como Cauã Reymond, Marina Ruy Barbosa, Renata Sorrah, Chay Suede, Humberto Martins e Lília Cabral.

Já se sabe que a próxima novela de Carneiro será ambientada em Salvador, com suas primeiras cenas na Ilha de Boipeba. O autor disse que, desta vez, vai evitar temas mais pesados e, portanto, não desenvolverá mais suas histórias em núcleos como favelas.

Fonte: Flávio Ricco

"O Sétimo Guardião" é a maior aposta da Globo


Inicialmente envolvida em uma polêmica sobre cessão de direitos autorais, com alguns alunos da oficina de roteiristas ministrada pelo autor Aguinaldo Silva em 2015, a novela "O Sétimo Guardião", prevista para estrear em maio do próximo ano, será a maior aposta da Globo desde "Avenida Brasil", para recuperar a audiência perdida na faixa das 21h nos últimos cinco anos.

Segundo fontes, a sinopse da trama foi aprovada pela emissora sem ressalvas e sua história empolgou os diretores, que passaram a considerá-la capaz de marcar médias superiores a 40 pontos de audiência na Grande SP, como "Avenida Brasil", de João Manuel Carneiro, em 2012.

A novela das nove na Globo é o produto de maior valor comercial na programação da televisão brasileira e tem uma função importante na estratégia de grade da emissora. Confira a média de audiência dos últimos cinco anos da faixa:

“Avenida Brasil" - 39 pontos
"Salve Jorge" - 34 pontos
"Amor à Vida" - 36 pontos
"Em Família"- 30 pontos
"Império" - 33 pontos
"Babilônia" - 25 pontos
"A Regra do Jogo" - 28 pontos
"Velho Chico" - 29 pontos
"A Lei do Amor" - 27 pontos

A atual "A Força do Querer", atualmente em sua 14ª semana, vem encerrando essa tendência de queda e agradando a emissora, com 32 de média até o momento, mas ainda longe dos sonhados 40 pontos.

Ainda de acordo com informações obtidas, o potencial de "O Sétimo Guardião" pesou na decisão da Globo quando a emissora deu um prazo de 15 dias para o autor resolver juridicamente a cessão da autoria da novela, após matéria publicada pelo NaTelinha. Ele conseguiu se acertar com os ex-alunos e todos assinaram um novo termo, liberando enfim a produção.

Apostando no realismo fantástico, a novela de Aguinaldo Silva contará a história da cidade fictícia de Serro Azul e seus mistérios. Nem todos os guardiões, que serão identificados na trama através de uma marca na pele, saberão que possuem a missão de proteger a pequena cidade.

O autor já garantiu que pretende retornar com a vilã de "Senhora do Destino", Nazaré Tedesco, mas não revela de que forma a personagem surgirá em "O Sétimo Guardião".

A Globo contratou uma equipe especialmente para cuidar dos efeitos especiais da nova trama das nove e praticamente todo elenco já esta escalado, entre eles Lília Cabral, Luana Piovanni, Cauã Reymond e Renata Sorrah.

"O Sétimo Guardião" terá direção de Rogério Gomes e substituirá "O Outro Lado do Paraíso", história de Walcyr Carrasco que virá na sequência de "A Força do Querer", no final de outubro.

Fonte: Na Telinha

Os segredos da reta final de "A Força do Querer"


Com o último capítulo previsto para 20 de outubro, A Força do Querer tem três meses de trama pela frente para desmascarar a vilã Irene (Débora Falabella), detonar os segredos de Ritinha (Isis Valverde), mostrar a transição de gênero de Ivana (Carol Duarte), aproximar o novo casal Caio (Rodrigo Lombardi) e Jeiza (Paolla Oliveira) e ainda fazer Bibi (Juliana Paes) ir ao céu e ao inferno no submundo do crime. As reviravoltas na novela de Gloria Perez começarão já na próxima semana.

Para não perder o "gás", a autora promoverá a entrada de novos personagens. Os primeiros são Mere Star (Fafá de Belém), Garcia (Othon Bastos) e Elvira (Betty Faria). Depois, Leandro surgirá para estremecer a vida de Joyce (Maria Fernanda Cândido). O intérprete para o papel será anunciado nos próximos dias.

A novela dará uma "chacoalhada" na vida de alguns personagens com a vingança de Bibi e Rubinho (Emílio Dantas) contra Jeiza. Zeca (Marco Pigossi) é quem pagará o pato. Ele será preso por tráfico de drogas e irá parar na mesma penitenciária em que o ex-garçom está. Depois de alguns dias atrás das grades, ele será solto, mas um cúmplice do traficante afirmará que o caminhoneiro faz parte da quadrilha e complicará sua situação com a polícia.

Zeca com Ritinha, e Jeiza com Caio - Ritinha mostrará seus encantos de "sereia" e mexerá com a cabeça de Zeca. Ela correrá atrás do ex-marido para não ir parar na cadeia por bigamia. Após beijá-la, Zeca pensará em desistir de acionar a filha de Edinalva (Zezé Polessa) na Justiça por estar casada com ele e Ruy (Fiuk). Os dois vão se reaproximar quando Jeiza estiver nos Estados Unidos, prestes a realizar o sonho de ganhar o cinturão no MMA.

Já Leila (Lucy Ramos) vai se separar de Caio após ver que o casamento deles não tem "liga". O advogado se decepcionará e desistirá de vez de Bibi ao descobrir que ela foi capaz de incendiar o restaurante em que Rubinho (Emílio Dantas) trabalhava.


Mentiras de Ritinha (Isis Valverde) vão vir à tona em breve: paternidade de filho e bigamia

Solteiro, o irmão de Heleninha (Totia Meirelles) vai se encantar com Jeiza e se unirá a ela para colocar o ex-garçom atrás das grades. O entrosamento do advogado com a policial vai despertar também ciúme em Zeca.

Joyce dá a volta por cima - Nos próximos passos, acontecerá a queda da vilã Irene (Débora Falabella). Ela perderá o "poder" sobre Eugênio (Dan Stulbach), que se reconciliará com Joyce (Maria Fernanda Cândido). Mesmo correndo o risco de ser presa por matar e roubar o ex-marido de Elvira (Betty Faria), a arquiteta ficará descontrolada ao perceber que perdeu o jogo para a dondoca.

Antes de Joyce reatar com o ex-marido, a mãe de Ruy conhecerá Leandro, terá alguns encontros românticos e será pedida em casamento. Além de virar do avesso esses dois triângulos amorosos, Gloria Perez dará contornos polêmicos a outras histórias, como é o caso de Ivana (Carol Duarte). Ela assumirá a transição de gênero para família e enfrentará a rejeição de Cláudio (Gabriel Stauffer).

Já Bibi seguirá sua saga criminosa. Apontada como autora do incêndio no restaurante de Dantas (Edson Celulari), ela virará foragida da polícia. No morro, juntamente com Rubinho, vai construir um império.

No entanto, Caio vai assumir a secretaria de Segurança e declarará guerra aos chefes do tráfico de drogas. Começará, então, a caçada a Rubinho e Bibi. A filha de Aurora (Elizângela) passará a ser chamada de "perigosa" na trama. Traficantes vão apelidar a morena assim pelas fotos que ela vai tirar com fuzil na mão e também por colocar para correr qualquer mulher que se aproximar de seu marido na comunidade.


Joyce (Maria Fernanda Cândido) será pedida em casamento por novo personagem da trama

Paternidade e crise de abstinência - De volta à novela, Cibele (Bruna Linzmeyer) terá de dar um novo sentido à sua vida quando provar que Ruy (Fiuk) não é o pai do filho de Ritinha. Ela conseguirá fazer um exame de DNA em Ruyzinho e entregará o resultado ao ex-noivo. Cibele tentará consertar a partir daí os erros que cometeu em nome da sua vingança.

Outra trama que vai ter um novo viés é a de Silvana (Lilia Cabral). Após correr risco de vida e quase virar prisioneira de criminosos por causa de uma dívida acumulada no jogo, ela abandonará o vício em carteado.

Sem jogar, a mãe de Simone (Juliana Paiva) ficará deprimida e sofrerá de abstinência. Nonato (Silvero Pereira) será o primeiro a apontar que a jogadora compulsiva precisa de ajuda para enfrentar essa barra.

Fonte: Notícias da TV

Trama secundária rende recorde para "A Força"


Na terça-feira (18/07), “A Força do Querer” bateu seu recorde de audiência: 38,3 pontos no Ibope da Grande São Paulo. Anteriormente, a novela havia alcançado 38 pontos no capítulo de 20/06, em que Bibi (Juliana Paes) incendiou um escritório.

O curioso desse novo recorde é que a novela fisgou o público por conta de uma trama paralela que nada tem a ver com a história central, de Bibi. E pior: uma batidíssima trama de traição, que a autora Glória Perez requentou de novelas anteriores. E não havia nenhum segredo ou mistério para o telespectador. O público se reuniu à frente da TV simplesmente para ver algo que sabia que ia acontecer: Joice (Maria Fernanda Cândido) descobrir que a amante de seu marido Eugênio (Dan Stulbach) é a (falsa) amiga Irene (Débora Falabella).

Será que o público gosta mesmo é de ver as histórias que já viu um milhão de vezes e que sabe como vão terminar?

A julgar pelos títulos atualmente no ar, o bom e velho folhetim, batido ou nem tanto, ainda é uma fórmula que funciona. Vide os bons números na audiência das novelas atuais e a pouca novidade neste cenário. Mas nem sempre o folhetim batido é garantia de sucesso. “A Lei do Amor” é um exemplo de novela tradicional que, no afã de atirar para todos os lados, se perdeu em uma sucessão de erros. “A Força do Querer” não apresenta nenhuma inovação. Todavia, Glória Perez é feliz ao apresentar fórmulas batidas de folhetim em uma trama atual, moderna. Sua novela é um verdadeiro sopro no formato, provando que velhas fórmulas ainda rendem desde que bem dosadas e acompanhadas de elementos em ressonância com a atualidade.

A trama de Bibi Perigosa (Juliana Paes) mais a discussão de gênero são pautas da sociedade moderna abraçadas pela velha telenovela. Ainda assim, “A Força do Querer” não abandona elementos conhecidos do público, vistos no triângulo Zeca-Ritinha-Ruy (Marco Pigossi, Ísis Valverde e Fiuk) e Joice-Eugênio-Irene. Já vimos essas histórias antes, contadas das mais variadas formas. A trama da traição já foi mostrada pela autora em novelas anteriores: Clarisse-Escobar-Alicinha (Cissa Guimarães, Marcos Frota, e Cristiana Oliveira em “O Clone”) e Silvia-Raul-Yvone (Débora Bloch, Alexandre Borges e Letícia Sabatella em “Caminho das Índias”).

Janete Clair dizia que “novela é um novelo que se desfaz aos poucos”. É assim que Glória Perez tem trabalhado “A Força do Querer”. Uma trama bem desenvolvida, que toca o público, aliada a uma direção afinada com a proposta da autora, mais o elenco bem dirigido – uma boa fórmula de sucesso. O drama de Joice e Eugênio vem sendo contado de maneira magistral desde o início tendo o público por testemunha. O clímax causa a catarse.

Fonte: UOL

Aguinaldo Silva planeja aposentadoria


Aguinaldo Silva tem planos de se aposentar do universo das novelas. O autor da Globo afirmou ao blog VEJA Gente que pretende escrever mais dois folhetins, já previstos em contratos com a emissora carioca – e depois vai se dedicar a trabalhos menos pesados. “Escrever novela não é apenas um trabalho mental – é também físico. A partir de uma certa idade, ficar diante de um computador até dez horas por dia durante oito meses é uma tarefa dolorosa. Acabei de fazer 74 anos”, diz.

O escritor conta que desde sua última novela exibida na Globo, Império, em 2014, sente os efeitos desse esforço. “Já em Império notei, com certo temor, que ao fim de cada dia de trabalho meus pés estavam inchados. Minha mãe costumava dizer que ‘pé inchado é coisa de pobre’, mas esta minha experiência pessoal comprovou que isso não era verdade”, afirma, com seu costumeiro bom humor.

Aguinaldo ainda brinca, afirmando que o que recebe de aposentadoria como jornalista é o suficiente para viver. “Recebo todos os meses do INSS a quantia de 1.820,37 reais. Assim, não terei problema em parar de escrever novelas. Já fiz as contas e concluí que dá muito bem para viver com o que já recebo como aposentado.”

Falando sério, ele diz que séries curtas, com no máximo quinze episódios por temporada, podem ser sua próxima tarefa. “Não pretendo parar de escrever – tenho a veleidade de achar que, se o fizesse, ficaria gagá em pouco tempo.” O autor conta que é viciado em seriados, e assiste a dois episódios por dia, em geral. Terminou recentemente de ver a quarta temporada de Ray Donovan, de qualidade comparável a Breaking Bad, segundo ele, e a terceira temporada de Better Call Saul. “Comecei a ver Orange Is the New Black, mas achei o primeiro episódio desta temporada lento e repetitivo”, diz.

Aguinaldo é autor de sucessos como Tieta (1989) e Pedra sobre Pedra (1992) – ambas ao lado de Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares – e Senhora do Destino (2004), que está sendo reexibida durante as tardes no Vale a Pena Ver de Novo. Seu próximo trabalho na Globo será O Sétimo Guardião, que entra no ar na faixa das 9 em 2018.

Fonte: Veja

‘A Força do Querer’ acerta ao surfar em temas atuais


Temas correntes como transexualidade, empoderamento feminino, a onda do sereísmo, vício em jogos e desafio da Baleia Azul marcam pontos a favor da novela A Força do Querer, de Gloria Perez. Tudo, porém, é apresentado embalado em uma roupagem familiar ao público dos folhetins, com personagens carismáticos e histórias que caminham com rapidez.

É, possivelmente, a soma das duas coisas que contribui para que a trama tenha a maior audiência desde 2013 no horário das 9 da Globo. Confira três motivos que ajudam a explicar o sucesso de A Força do Querer:


Mocinhas não tão mocinhas - A trama é encabeçada por três mulheres: Ritinha (Isis Valverde), Bibi (Juliana Paes) e Jeiza (Paolla Oliveira). Jovens e bonitas, elas têm outra característica em comum que faz com que sejam bem aceitas pelo público – a força. Nenhuma delas, nem mesmo a sonhadora Ritinha, que se realiza ao se vestir como sereia, lança mão do velho e desgastado uniforme das mocinhas sofredoras de novela. Elas são empoderadas, para usar o termo atual que roda as redes sociais. Jeiza, a policial, é durona e vive quebrando tudo no ringue de MMA. Bibi será a “primeira-dama do crime” por causa dos negócios ilícitos de seu marido, Rubinho (Emilio Dantas). Ritinha é esperta e determinada e logo deve dar uma surra daquelas na vilã Irene (Débora Falabella), mostrando que sereia também sabe cair no tapa.


Merchan social sem exageros - Uma das marcas de Gloria Perez, o merchandising social não poderia deixar de aparecer na novela. Até agora, isso foi feito de maneira sensível e sem exageros. Ivana (Carol Duarte) está, aos poucos, se descobrindo transgênero. A personagem e a atriz que a interpreta são carismáticas e tudo está sendo construído lentamente, com muito cuidado. Outro tema social, o vício em jogos de Silvana (Lilia Cabral) é tratado ainda com mais sutileza, de maneira quase cômica. Ao que tudo indica, porém, a doença da personagem ainda vai complicar bastante sua vida, trazendo mais dívidas e problemas com o marido, Eurico (Humberto Martins). A ver como isso vai ser mostrado no folhetim.


Ritmo ágil à la Netflix - Com três protagonistas e outros núcleos importantes, há muita história para contar. E Gloria Perez vem equilibrando tudo isso com parcimônia, recompensando o público com capítulos recheados de acontecimentos e ganchos típicos de séries em streaming. Em questão de poucos dias, por exemplo, Rubinho, que fugiu da prisão nesta terça-feira com a ajuda de Bibi, vai se esconder em uma mansão de luxo, revelará à esposa que virou um personagem importante do tráfico de drogas e será capturado pela polícia. Em seguida, em capítulo da semana que vem, ele vai pedir que a mulher recupere quilos e mais quilos de droga que ele escondeu na favela – ela vai concordar e dar mais um passo rumo à transformação em Bibi Perigosa.

Fonte: Veja

Evaristo Costa pode deixar o "Jornal Hoje"


A permanência de Evaristo Costa na Globo é incerta. O apresentador do “Jornal Hoje” não teria planos de renovar seu contrato com a emissora carioca, que acaba daqui a dois meses.

O motivo? De acordo com o colunista Flávio Ricco, o jornalista alegou que pretende se dedicar a projetos pessoais nos próximos meses.

Há quem diga que Costa tirará um 'ano sabático' para morar fora do Brasil com a esposa, Amalia Stringhini, e as duas filhas, Antonella e Francesca. Só depois que retornar da viagem ele decidirá os rumos de sua carreira.

Ainda segundo a publicação, a Globo ainda não confirmou a saída de Evaristo, mas se reunirá com o jornalista na próxima semana para tentar convencê-lo a não deixar a emissora.

A decisão do profissional teria sido tratada internamente como surpreendente. Isso porque o âncora está à frente do noticiário vespertino desde 2004 e já entrou no esquema de substituição de Tadeu Schmidt no "Fantástico", no período de férias do apresentador.

Há quem diga que o nome de Rodrigo Bocardi é o mais cotado para substituir Evaristo.

Fonte: Famosidades

Simone e Simaria serão juradas no "The Voice Kids"


A cadeira dupla do "The Voice Kids", ocupada na edição anterior por Victor e Leo, agora será de Simone e Simaria. Com a mudança, as três posições de jurados está completa. Além das irmãs (que respondem juntas por uma cadeira) estão Claudia Leitte (que substituiu Ivete Sangalo) e Carlinhos Brown.

No início deste ano, Victor Chaves pediu afastamento do programa após surgirem denúncias de que ele teria agredido a sua mulher. O irmão Leo continuou no reality até o final, porém o clima não era mais o mesmo.

"Sou muito grata a Deus por essa oportunidade incrível em nossa carreira. Fazer parte de um programa tão lindo, como esse, é uma glória! Queremos agradecer a cada um, que acreditou na gente, no nosso talento, e que permitiu que fizéssemos parte do The Voice Kids. Nosso coração está pulando de alegria. Estamos prontas para assumir essa missão tão importante de avaliar o talento desses jovens lindos e talentosos. Não vai ser fácil não, mas estamos prontas", diz Simone ao site oficial do "The Voice Kids".

Com o novo time de jurados montado, a nova edição do programa deverá estrear no início de 2018, com apresentação de André Marques e Thalita Rebouças.

Fonte: UOL

Grazi Massafera fica morena para viver vilã


Grazi Massafera já começou o processo de caracterização da vilã Lívia, sua próxima personagem na novela "O outro lado do Paraíso". Depois de brilhar loiríssima em "A lei do amor', a atriz escureceu as madeixas e vai aparecer assim, morena, na trama de Walcyr Carrasco, que estreia em outubro, após o fim de "A força do querer". Ficou linda, não é mesmo?



Fonte: Jornal Extra

Letícia Colin é reservada na Globo


Letícia Colin tem feito sucesso em "Novo Mundo", novela das 18h da Globo, e não deve ter muita folga após o fim do projeto. Isso porque a atriz já está cotada para um novo trabalho na emissora.

Segundo o jornal "O Globo", a morena está reservada para a nova novela de João Emanuel Carneiro, na fila para a faixa das 21h do canal.

Vale lembrar que a trama foi adiantada, já que o canal fez uma troca e deixou a novela escrita por Aguinaldo Silva - prevista para estrear ano que vem - para depois. A mudança, aliás, tem movimentado os bastidores da Globo.

Muitos atores já estavam escalados para "O Sétimo Guardião", mas agora já estão disponíveis novamente por causa do adiamento.

Fonte: MSN

Ary Fontoura é assaltado no Rio


Ninguém está a salvo no Rio e nesta madrugada foi a vez de Ary Fontoura, de 84 anos, entrar para as estatísticas de violência da cidade. Ele e um amigo ficaram sob a mira de oito homens "fortemente armados", segundo suas palavras,  e passaram por momentos de horror na Avenida das Américas, quando seguiam para o Recreio, voltando de uma festa. "Eles eram oito, estavam de carro e nos fecharam na entrada de um viaduto pouco depois de uma da manhã", diz.

Ary diz que os bandidos eram "sádicos" e o trataram com deboche. Seu medo aumentou ainda mais quando um deles o reconheceu. "Foi horrível, mas eu disse que não era eu, que eu era parecido com o Ary Fontoura mas não era ele. Acho que ele acreditou, porque senão poderia ter sido até pior ".

O ator, que interpreta o ex-presidente Lula no filme sobre a Operação Lava-Jato, diz que o assalto foi "uma brutalidade, uma covardia". Levaram "tudo" dos dois, inclusive o carro, uma pickup Honda.

"A situação no Rio é caótica, não tem ninguém para nos proteger. Depois de tudo, fomos à delegacia. Estava vazia, escura, com só um policial que parecia assustado e com medo de alguém passar atirando, metralhar tudo, porque isso agora parece que virou moda".

Ary anda desiludido com o Rio. "De que adianta a cidade ser linda se você não pode sair de casa, tem que ficar enclausurado?" 

Fonte: O Globo

5 assuntos de "Tieta" que não passariam hoje


Já faz quase 30 anos que "Tieta" estreou no horário nobre, provocando e afrontando a família tradicional brasileira com uma protagonista fogosa e sensual e muitos personagens com pensamentos claramente retrógrados expostos sem meias palavras.

Adaptação da obra de Jorge Amado, a trama de Aguinaldo Silva, Ricardo Linhares e Ana Maria está no ar no Viva e é o maior sucesso da história do canal especializado em reprises.

Desde 1989, quando foi exibida pela primeira vez, o mundo mudou e muito do que é mostrado não passaria impune nos dias de hoje. Relembre cinco momentos em que a novela foi politicamente incorreta.


INCESTO - Não era só Perpétua (Joana Fomm) que não gostava da aproximação de Tieta (Betty Faria) com seu filho, Ricardo (Cássio Gabus Mendes): a relação entre tia e sobrinho foi um dos pontos polêmicos da novela e levou tempo até ser aceita pelos telespectadores e, muito provavelmente, não seria possível nos dias de hoje. O fato de o jovem ser um tímido seminarista tornou o tema ainda mais delicado.


NUDEZ – Cheia de ousadias e provocações, “Tieta” causou até na vinheta de abertura com os seios de Isadora Ribeiro à mostra. Na época houve polêmica, claro, mas mamilos se tornaram ainda mais polêmicos e são vetados inclusive nas redes sociais. A trama também revelou outros corpos, inclusive de homens, que é menos comum na nossa teledramaturgia: Cássio Gabus Mendes gravou duas sequências completamente nu.


EXPLORAÇÃO SEXUAL - Mesmo inexperiente, Imaculada (Luciana Braga) bem sabia que Artur da Tapitanga (Ary Fontoura) não era flor que se cheire: a rolinha mais empoderada de seu harém nunca deu chance para o prefeito de Santana do Agreste, a quem enganava constantemente para não lhe fazer favores sexuais em troca de casa e comida, como as demais. Apesar da aparência de menina púbere, a atriz tinha 26 anos na época.


FANATISMO RELIGIOSO - Beata por fora, recalcada por dentro, Perpétua (Joana Fomm) era a maior fiscal da moral e dos bons costumes, embora de santa não tivesse muita coisa. Tudo em nome da família. A mentora de Amorzinho (Lilia Cabral) e Cinira (Rosane Gofman) acreditava ter mais autoridade na paróquia que o padre Mariano (Claudio Corrêa e Castro). E a viúva tem um segredo nada casto, revelado no capítulo final.


MACHISMO SEM FILTRO - Assim que volta à cidade natal, Tieta é recebida por Bafo de Bode (Bemvindo Sequeira), o bêbado da cidade, que "elogia" a beleza da protagonista dizendo que ela "não é uma mulher, é uma plantação inteirinha de xibiu" (palavra usada para se referir ao órgão sexual feminino). Além disso, quenga é uma ofensa usada como vírgula na trama. Quem ousaria usar esse linguajar, mesmo que ficcional, em 2017?

Fonte: UOL

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Ex-alunos querem "O Sétimo Guardião" na Globo


Após toda repercussão sobre a polêmica envolvendo um grupo de ex-alunos da oficina de roteiristas de Aguinaldo Silva, a "Master Class 3", sobre cessão de direitos autorais da nova novela das nove da Globo, "O Sétimo Guardião", aconteceu uma reviravolta no caso.

De acordo com fontes do site NaTelinha, a insatisfação não é mais uma realidade deste grupo. Os ex-alunos entraram num entendimento e agora se mostram favoráveis à produção e exibição da trama na Globo, e por isso estão assinando o novo termo de cessão de direitos a toque de caixa.

Nesta semana, a coluna ainda ouviu queixas de alguns dissidentes, mas são unânimes em dizer que seguirão a decisão da maioria.

Embora no novo acordo a cessão de direitos autorais patrimoniais de todas as obras realizadas na oficina (sinopse, filmes, capítulo de novela, entre outras) seja gratuita, os alunos estão convencidos de que ter uma trabalho veiculado na maior emissora do país seria excelente para o currículo.

Este documento teria sido uma exigência da Globo, que não quer problemas futuros na Justiça e só seguirá com "O Sétimo Guardião" caso todos os alunos envolvidos assinem o aditivo.

Segundo apurado pela reportagem, o novo termo também possui uma cláusula de confidencialidade, onde fica proibido que o cedente (aluno) faça qualquer declaração à imprensa de assuntos internos da oficina de roteiristas que possam desabonar o negócio direta ou indiretamente.

Procurada pelo site NaTelinha, a Comunicação da Globo diz que esse documento não é dela: "Não temos nenhum envolvimento com o curso nem com os alunos. E esse documento não é da Globo. Aguinaldo Silva tem a responsabilidade de entregar uma obra original para a emissora e garantir que não haja dúvidas a esse respeito".

Marcada inicialmente para a última semana, a reunião entre Aguinaldo Silva e Globo para decidir o futuro da novela ficou para os próximos dias.

"O Sétimo Guardião" já possui 18 capítulos escritos e tem previsão de estreia para maio de 2018, substituindo "O Outro Lado do Paraíso", de Walcyr Carrasco, na faixa das 21h.


Entenda o caso - Segundo uma fonte do site NaTelinha, que preferiu se manter no anonimato, alguns alunos que participaram do curso de roteiristas promovido pelo autor no final de 2015, estariam insatisfeitos com o contrato de cessão de direitos autorais assinados por eles em favor de Aguinaldo.

De acordo com a fonte, a justificativa é que eles auxiliaram o autor na criação da sinopse e da maioria dos personagens da novela durante as aulas e reclamam que "O Sétimo Guardião" foi aprovada pela Globo sem nenhum repasse a eles de qualquer valor referente a obra, além de desconhecerem a forma de como serão creditados seus nomes na abertura da trama.

Procurado por telefone, o assessor de Aguinaldo Silva, Francisco Patrício, se irritou com as perguntas da reportagem sobre o caso e disparou: "Se não está satisfeito, assuma quem você é, vai na Justiça e processa".

Ele negou que a novela da Globo tenha sido criada durante o curso de roteiristas e explica: "A ideia é de Aguinaldo". Patrício ainda destacou que nenhum aluno tinha experiência de escrever e que ninguém foi aproveitado como colaborador da trama.

Master Class - Com um valor de inscrição de 4 mil reais, 26 alunos roteiristas se reuniram no final de novembro de 2015 na cidade de Petrópolis, localizado na região serrana no Rio, para participarem durante 10 dias do curso "Master Class 3", realizado na Casa Aguinaldo Silva de Cultura e ministrado pelo autor.

Durante a construção do empreendimento, Aguinaldo postou em seu blog no dia 9 de julho de 2015: "Quando novembro vier, nesta sala aí embaixo que, na próxima semana começa a ganhar teto, soalho e revestimento (acústico) de paredes, estaremos, eu e 15 felizardos, reunidos durante duas semanas, de segunda a sexta, cinco horas por dia, tramando juntos uma sinopse e o primeiro capítulo de uma novela... Que, como aconteceu com 'Fina Estampa' – sonhar é bom e possível – poderá até ser comprada por uma certa emissora".

Para poder participar do curso de roteiristas, os alunos tiveram que assinar um contrato que transfere "os direitos patrimoniais dos trabalhos criados na oficina do curso de roteiro 'Master Class 3'" para Aguinaldo Silva. O NaTelinha teve acesso a este contrato e nele consta a seguinte cláusula: "Os trabalhos realizados na oficina, nos termos do artigo 8º da lei 9.610/98 não são considerados obras".

Cancelamento - A diretoria da Globo soube do imbróglio através da matéria e desde então vem mantendo reunião com o autor para resolver este cenário. Segundo fontes internas, a novela corria sério de risco de ser cancelada caso a situação não fosse resolvida em curto espaço de tempo.

Fonte: Na Telinha.

"Jornal Nacional" inaugura nova redação do jornalismo


O ‘Jornal Nacional’, que chegou à casa de milhões de brasileiros na noite desta segunda-feira (19/06), foi transmitido do novo estúdio do telejornal, no centro do recém-inaugurado prédio da Redação de Jornalismo no Rio de Janeiro. O projeto da nova redação procurou facilitar a integração entre as diversas equipes. A partir de agora, o coração da hard news na produção de notícias sobre o Rio de Janeiro está reunido em um único local, garantindo maior integração entre as equipes, maior eficiência nos fluxos de informação e agilidade na produção para diversas plataformas. Ali estão as equipes da Editoria Rio, G1-RJ, Bom Dia Brasil e Jornal Nacional.

A GloboNews tem no local um posto avançado, para facilitar a integração com a cobertura da produção de notícias relativas ao Rio. Iniciada no final de 2014, a construção faz parte do complexo localizado no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, e possui 3.405 m² de área construída.

Com a nova estrutura, a redação passa a ter o dobro do tamanho da anterior, com 1.370m² ocupados por 189 postos de trabalho, 18 ilhas de edição, três de pós-produção, duas cabines de locução e salas de reunião. No centro, está localizado o novíssimo estúdio do ‘Jornal Nacional’, com tecnologia de ponta e totalmente integrado à redação.


O vidro de 15 metros em curva, atrás da bancada dos apresentadores, foi desenvolvido exclusivamente para o cenário do ‘Jornal Nacional’. O material garante a perfeita visão da redação em atividade e está revestido por uma película PDLC, que escurece sincronizada a nove projetores a laser para permitir imagens de excelente qualidade. Uma tela de LED retrátil de grandes proporções no fundo da redação – com 16 metros de largura, três de altura e cerca de três toneladas – faz com que os recursos gráficos do estúdio ganhem efeito 3D e as artes projetadas possam ser vistas por diferentes perspectivas, de acordo com a movimentação das câmeras.

Outro trunfo do novo estúdio do ‘Jornal Nacional’ são as quatro câmeras adaptadas especialmente para o projeto: duas robóticas, uma câmera de trilho de chão, que se desloca em curva acompanhando a linha do cenário, e uma câmera de trilho aéreo, que permite uma visão ampla da redação. Dois braços robóticos, utilizados pela indústria automotiva, foram adaptados para receber duas câmeras que se movimentam em nove eixos, em trajetórias pré-fixadas ou guiadas, por sensores, pelos movimentos dos apresentadores. 


Outro destaque da nova redação é a sala de partida, que funciona como um centro de apuração e monitoramento dos acontecimentos do Rio de Janeiro, abastecendo ainda o ‘Jornal Nacional’ e o ‘Bom Dia Brasil’ com informações do Brasil e do mundo. Por um grande video wall é possível monitorar em tempo real agências internacionais de notícias, canais internacionais e nacionais de relevância e todos os sinais de equipes externas em trabalho no Rio. É feita aí também a escuta digital, que captura o que acontece nas redes sociais. Nesta sala ficam concentradas ainda as chefias de reportagem e os supervisores de operações de jornalismo no Rio da Globo, da GloboNews e do G1. Dos já modernos estúdios de São Paulo, que também privilegiam a interação das equipes, continuarão saindo ‘Jornal Hoje’, ‘Jornal da Globo’, ‘Hora 1’, ‘Profissão Repórter’, ‘Globo Rural’, ‘Bem Estar’ e ‘Como Será?’. ‘Fantástico’ tem seu estúdio e redação próprios, assim como o ‘Globo Repórter’ – estes dois no Rio de Janeiro.

Casa do moderno estúdio do ‘Jornal Nacional’, o novo prédio da Redação de Jornalismo tem dois pavimentos. No primeiro está a redação integrada, com as equipes da editoria Rio, do ‘Bom Dia Brasil’, do ‘Jornal Nacional’, da Produção de Rede, dos sites dos telejornais, do G1, da agência News Source e de Operações, além do posto avançado da GloboNews.

O térreo abriga as operações de externa e as áreas de apoio e, para facilitar a logística, conta com um espaço dedicado ao carregamento das Unidades Móveis do Jornalismo. A construção acolheu ainda soluções sustentáveis. A fachada é revestida por uma tela com propriedades térmicas que reduzem a incidência solar e, com isso, a temperatura interna do prédio. Um telhado verde, além de servir como área de convivência, também ajuda no isolamento térmico e a iluminação em LED diminui o consumo de energia.

Fonte: Fábio TV

Manuela Dias tem sinopse das 21h aprovada


Apostando cada vez mais em novos nomes, a Globo acaba de aprovar mais uma autora para suas novelas.

Segundo informações do jornal Extra, trata-se de Manuela Dias, muito elogiada por seus recentes trabalhos em "Ligações Perigosas" e "Justiça".

Diretor de dramaturgia diária da emissora, Silvio de Abreu aprovou uma sinopse da roteirista, que irá logo para o principal horário, na faixa das 21h.

Entretanto, Manuela só deverá entrar no ar em 2019, já que antes dela virão tramas de Walcyr Carrasco, Aguinaldo Silva e João Emanuel Carneiro.

Manuela Dias estreou como autora titular da Globo no ano passado, com "Ligações Perigosas" e depois "Justiça", mas ela tem outros trabalhos em equipes de roteiristas de séries e colaboradora de novelas.

A escritora começou na emissora em 1999 com "Sandy & Júnior". Depois, escreveu episódios de "Bambuluá" (2000), "A Grande Família" (2001), "Aline" (2009) e "Geral.com" (2009), até partir para os folhetins, colaborando com Duca Rachid e Thelma Guedes em "Cordel Encantado" (2011) e "Joia Rara" (2013).

Fonte: Na Telinha

Modelo transgênero entra em ‘A Força do Querer’


Ivana (Carol Duarte) terá a ajuda de um modelo transgênero para começar a se descobrir em A Força do Querer. Tereza Brant, que também é ator, entrará na trama interpretando ele mesmo e se aproximará da filha de Joyce (Maria Fernanda Cândido) para contar todo o seu processo de mudança de gênero. A garota descobrirá um novo mundo após conversar com o amigo e passará a noite em claro pesquisando sobre pessoas que não se reconhecem no próprio corpo.

Após de desistir de viajar para o exterior com Cláudio (Gabriel Stauffer), Ivana sentará em um bar para pensar na vida. Anita (Lua Blanco) chegará ao local e apresentará Tereza. A jogadora de vôlei estranhará quando o modelo disser seu nome.

"Piada hoje não! Não estou com cabeça pra ouvir gracinha!", retrucará Ivana. "Qual é a piada? Meu nome? Meu nome é Tereza mesmo!", confirmará ele. "Tem mais nada a ver com a aparência, né? Mas foi o nome que minha mãe escolheu pra mim, não tive coragem de trocar", explicará o ator.



"Quem é que bota o nome de um menino de Teresa?", questionará Ivana. "Eu nasci num corpo de menina. Só que eu não era uma menina!", contará o rapaz. "Ele é um trans. Nasceu no corpo errado! Nunca tinha ouvido falar nele, não? Procura na internet. Tem a história dele toda lá! mostra pra ela, Tê!", pedirá Anita.

Tereza mostrará a Ivana sua foto de criança, vestido de menina, e lembrará da época em que, assim como a filha de Joyce, usava uma faixa no peito para esconder os seios. "Eu sinto tudo isso que você diz que sentia. Esse desespero de não saber quem é, de se sentir dentro de um corpo errado. Você contando, parece que está falando de mim!", comentará Ivana.

Ao voltar para casa, a jogadora de vôlei tratará de pesquisar sobre pessoas transgênero e passará a noite em claro vendo vídeos e lendo histórias.

Já com o dia claro, Ivana parará na frente do espelho e perceberá que se identifica com os casos que conheceu. "Entendi!", dirá ela, emocionada, na sequência que vai ao ar no dia 27.

Além de participar como ator, Tereza prestou consultoria à autora Gloria Perez para compor o drama de Ivana na trama das nove. Aos 24 anos, o modelo de Belo Horizonte faz sucesso nas redes sociais desde 2013, quando assumiu cabelos curtos e aparência masculina, e tem mais de 300 mil seguidores em sua página do Facebook.

Fonte: Notícias da TV

Gloria Perez defende o merchandising social


Os mais pessimistas costumam dizer que a televisão matou a janela, mas para Gloria Perez a telinha abriu uma porta rumo ao lugar de que mais gosta: a rua. “O grande barato de fazer uma novela é que ela é viva, gosto de ouvir o clamor que vem do povo”, pondera a escritora, que já faz de sua A Força do Querer a trama global das 9 de maior audiência desde 2014.

Nesse sentido, de ver e ouvir o que está acontecendo no Brasil e no mundo, sobretudo dentro do coração das pessoas, a autora conta com a preciosa ajuda da pesquisadora Sandra Regina, que colabora com ela em suas produções desde Carmem (1987), na extinta Manchete. Além de todo o trabalho de pesquisa de comportamento, costumes, culturas, conflitos atuais, por exemplo, a especialista tem outra função vital para o desempenho da história: “Se tem um bordão numa novela, ela o solta na fila de banco, de supermercado, para saber se está fazendo, mesmo, sucesso. Daí sigo com ele”, explica Gloria, lembrando de pérolas como o “Não é brinquedo, não”, dito o tempo todo pela divertida personagem dona Jura, de Solange Couto, em O Clone (2011).

Mas o trabalho de Gloria vai infinitamente além. Ela é reconhecida por abordar temas polêmicos, inovadores e de mexer nas “feridas” da sociedade, provocando discussões e reflexões dentro de uma linguagem absolutamente popular. O objetivo é promover alertas e ações sociais, amenizar sofrimentos, salvar pessoas e quebrar preconceitos. Sim, para esta mestra, novela não é só entretenimento. É serviço!

Desta vez, a autora tem, entre outros desafios, contar a história de Ivana (Carol Duarte), uma jovem que passará por um processo de transição de gênero, justamente no país em que mais se mata travestis e transexuais no mundo, de acordo com o levantamento da organização não governamental Transgender Europe (TGEU). “Todas as minhas novelas têm a tolerância como síntese. Sempre falei sobre a dificuldade de aceitar o diferente, de ir além do próprio umbigo”, revela ela sem temer uma eventual rejeição do público diante do tema, considerado um tabu. “Claro, vou dar ouvidos ao telespectador, não para mudar o rumo da história, mas sim para saber se o que quero dizer está chegando da maneira que planejei. Se por acaso eu estiver errada, vou encontrar uma outra maneira de falar disso!”

Quão trabalhoso é escrever uma novela que dura cerca de oito meses?
Um capítulo sai em seis, sete horas. Mas, na verdade, quando se escreve uma produção dessas, tem de se estar 24 horas disponível. Existem reuniões, problemas no meio do caminho, às vezes tenho de fazer um adendo numa cena aqui, outro lá...

Dá para ter folga de vez em quando?
Dá exatamente porque escrevo sozinha (gargalhadas). É aterrorizante ter de dividir o trabalho com cinco pessoas, ficar conversando, montando capítulos, refazendo o texto, verificando. Não sei administrar isso, mas admiro quem consegue.

Não é pesado dar conta de uma trama no horário nobre sozinha?
Não, é muito mais fácil, porque a história que tenho de contar está dentro de mim, ela sai daqui (aponta para a cabeça) direto para o papel em branco. Vou imaginando, vou vivendo, tenho gosto em fazer isso. Dá trabalho? Sim. Fico esgotada? Claro! Mas é algo que faço com muito prazer.

Já sabe como vai acabar A Força do Querer? Conta para a gente (risos)...
Ainda não tenho o final (risos). Novela é uma obra aberta e os personagens vão ganhando um pouco de vida também. Às vezes, nem quero que um romance aconteça, mas um personagem vai e, no impulso, beija o outro e sou obrigada a continuar dali. Sou tipo médium: ouço a voz de todos enquanto escrevo (gargalhadas).

Aliás, ainda escreve de pé?
Mas não é em posição de sentido, tá?! (risos) Tenho um banquinho de bar em que me apoio, encosto para não prejudicar minha coluna. Quando você passa muito tempo sentado, na mesma posição, que pode até ser cômoda, na hora de levantar, a coluna está tão torta que tem de chamar um monte de especialistas para dar conta.

Entre suas várias campanhas sociais, qual foi a mais marcante?
A das crianças desparecidas em Explode Coração (1995). Foi uma bela campanha porque, geralmente, as coisas terminam junto com a novela e as pessoas seguem com sua vida. Acho que, por tratar da infância, transpassou a trama e até hoje você vê os retratinhos (de desaparecidos) estampados até em bilhetes de loteria.

Como fará para driblar uma suposta rejeição em torno da transição da Ivana, que se assumirá como homem?
Quando você levanta bandeira demais, cria uma antipatia. Já notei isso. A novela cria uma intimidade muito grande do público com o personagem, tanto que as pessoas são muito intrometidas (risos). Elas mexem com o ator na rua, dão conselhos. Por isso, comecei a trama da Ivana lá de trás, desde o atordoamento em relação ao corpo, para as pessoas irem criando essa compreensão do que é o transexual.

Teme mudar o destino da personagem por conta dos grupos de discussão?
Eles sempre existiram, cansei de ir (às reuniões na Globo), mas gosto mesmo é de rua, porque lá a gente vê o quanto as pessoas estão realmente envolvidas com a história. Não me importo se falam bem ou mal. Novela é paixão. Como dizia Janete Clair, vale amar e vale odiar. A única coisa insuportável é a indiferença.

Sabe que sua trama terá um papel importante para diminuir o preconceito contra as pessoas trans, não? 
Tenho a consciência de que posso salvar vidas. Espero criar uma empatia entre o público e os transexuais, para que estes possam ser olhados com mais compaixão. Consegui isso com os dependentes químicos em O Clone (2001) e com a saúde mental em Caminho das Índias (2009). Tenho muito orgulho disso tudo.

Acha que algum de seus merchandising sociais rendeu menos do que esperava?
O resultado em Salve Jorge (2012) parece pequeno, porque as mulheres que sofreram com o tráfico humano recebem ameaças que se estendem por toda uma vida. Elas ainda têm muito medo de aparecer. Durante a pesquisa, apenas uma única me deixou filmar seu rosto. Ela foi traficada há mais de 25 anos e até hoje acredita que qualquer carro preto que passe em frente à sua casa são seus sequestradores. É difícil. Precisou de muita coragem para contar sua história.

Já sabe o destino de sua própria empreitada?
Claro que não, ainda estou em Parazinho, tomando banho de tanque. Não deu tempo nem de pensar nisso ainda (gargalhadas).

Fonte: TiTiTi